Pular para o conteúdo principal

Plenário: uma partilha para aumentar a comunhão

 São Pedro nos lembra em sua carta (2Pedro 1,19-21) que não podemos querer entender a Bíblia sozinhos. A Bíblia nasceu em uma comunidade e é entendida em comunidade. Este entendimento da Palavra de Deus começa nos Grupos de Reflexão. Depois, esse entendimento é partilhado e enriquecido no grande encontro mensal dos grupos que é o Plenário.
O Plenário é vida para os Grupos de Reflexão. Ele anima, esquenta e faz nascer o entrosamento entre os grupos. Ele reforça nossa pertença à comunidade. Ele reafirma o sentido de ser Igreja. O Plenário é a partilha e o aprofundamento das perguntas trabalhadas durante o mês. Plenário não é briga, não é provocação. É um debate sadio que nos faz crescer. O Plenário também não é perde e ganha. Algumas pessoas têm uma ideia errada do Plenário, por isso não vão. É preciso ir para ver de perto e sentir como muita coisa mudou pra melhor.
O Plenário ajuda no amadurecimento dos Grupos de Reflexão . Ajuda a desenvolver o espírito crítico e nos leva a buscar a razão da nossa fé. É uma forma de seguir a recomendação de São Pedro: “Estejam sempre prontos a dar a razão da sua esperança a todo aquele que a pede a vocês”. (1Pd 3,15). O Plenário é a grande celebração da caminhada dos grupos. Por isso, ninguém está dispensado do Plenário.   Sua presença faz a diferença.
O Plenário deve ser bem preparado. Devemos estar atentos para acolher bem os participantes. O Plenário deve contar com a participação de todos os membros dos grupos. É importante que o animador do Plenário se prepare bem. Sua missão não é dar a última palavra em tudo, mas ajudar a encaminhar as reflexões, com seus desafios através da vida. É importante que o Plenário tenha dia e hora certa para funcionar. Senão, ele não cria raízes na comunidade.
Para reforçar vamos cantar:  Eu sou feliz é na comunidade, na comunidade eu sou feliz (bis)
O balaio não tem tampa, mas tem sua amarração / nós também temos Plenário, prá aumentar a comunhão.

Comentários

  1. Seria interessante que partilhassem as novas modalidades de plenário que estão sendo feitas nas comunidades.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo de Reflexão: Reuniões semanais e Plenário

As reuniões do grupo são todas as semanas, e sempre com as mesmas pessoas. Grupo sério não dispensa nem troca as reuniões semanais por nada. Quando um novato se interessar em entrar para o grupo, passem para ele o que é um grupo de reflexão, e como está o andamento do seu grupo. Não deixem a pessoa meio perdida.  Se procurou, é porque está querendo alguma coisa a mais, não é mesmo? Os assuntos das reuniões dos grupos exigem continuidade.Exigem permanência dos membros e fidelidade às reuniões(Hb 10,25). Não nos esqueçamos de que estamos falando de reuniões de estudo, de reflexão e treinamento para a missão. Por isso o animador e o secretário devem, de vez em quando, pedir a um ou outro membro do grupo para dirigir a reunião.  Assim essa pessoa vai se soltando aos poucos... ØEvitar comes-e-bebes nas reuniões de grupos de reflexão. A preocupação com essas coisas pode prejudicar a evangelização. Local da reunião: por causa da continuidade dos assuntos, as reuniões semanais sejam feitas nas ca…

Dez Mandamentos do Grupo de Reflexão

Grupos de Rua: caminho para a Igreja rede de comunidades

Logo após o Concílio Vaticano II, as formas colegiadas ganharam vigor e muitas experiências bonitas aconteceram. As conferências episcopais ganharam força; os diversos conselhos em âmbito diocesano, paroquial e comunitário também. O povo começou a se sentir verdadeiramente Igreja e a sair da passividade de séculos. Nas primeiras Campanhas da Fraternidade no Brasil, os lemas e os objetivos sempre lembravam a todos o sentido comunitário da Igreja. “Lembre-se: você também é Igreja” (1964); “Faça da sua paróquia uma comunidade de fé, culto e amor”; (1965); Em 1966, o objetivo da campanha assim dizia: “Reavivar nos fiéis a consciência de que são membros do povo de Deus, corresponsáveis por toda a comunidade da Igreja local, diocesana, nacional e universal, e chamados a servir todos os homens, especialmente os pobres”. Com esse espírito, a Igreja no Brasil promoveu, na década de 1970, uma proliferação – sem igual na sua história – de comunidades eclesiais de base. Abandonou a mania de grande…