Pular para o conteúdo principal

Grupo de Reflexão: Caminho de iniciação à vida cristã

Neste ano de 2018, ano dos leigos e leigas na Igreja do Brasil, somos convidados a voltar nossa atenção para o processo de iniciação à vida cristã (IVC). Leigo ou leiga, não é quem sabe menos ou quem é menos estudado. Leigo é quem foi batizado e por isso foi incorporado a Jesus Cristo, parte viva do Corpo de Cristo que é a Igreja. É quem tem a missão de continuar a ação de Cristo no mundo, na história. A palavra leigo vem da palavra laós que quer dizer povo. Leigos e leigas são membros vivos do povo de Deus que é a Igreja. Os leigos, pelo batismo, participam da comum dignidade de todos os cristãos. É importante lembrar que todos somos iguais perante a Deus. As funções são diferentes, mas a dignidade de ser cristão é comum a todos. A exemplo dos Magos, todos precisamos aprender a oferecer o que temos de melhor no seguimento a Jesus Cristo.
Com o batismo acontece um novo nascimento, o nascimento para a vida cristã, para o seguimento a Jesus Cristo. Mas todos sabemos que o nascimento de uma criança é cheio de preparativos. Há um longo período de gestação. Nove meses nos quais o feto vai se desenvolvendo dentro no ventre da mãe,. E por fora, a mãe, o pai, a família, os vizinhos, todos vão tomando os cuidados necessários, tomando as providências para acolher aquele que está iniciando a sua caminhada na vida. E ainda vai gastar um longo tempo para que esta criança aprenda a andar, a falar, a comer com próprias mãos, a se vestir, a se defender, a se decidir com a própria cabeça e com próprio coração. Ou seja, ainda será um longo caminho até que ela seja ela mesma.
Infelizmente, na Igreja, muitos pensam que o mais importante é receber o sacramento. Depois se afastam da Igreja, não frequentam mais a comunidade. Imaginem, se logo depois do parto, nós abandonássemos a criança, deixando-a sozinha. O batismo é o nascimento para a vida cristã, mas, a exemplo de uma criança que nasce, há ainda um longo caminho para se atingir o estatuto do ser cristão. Ou seja, há um longo caminho para que o leigo e leiga se tornem conscientes de sua missão, como filho ou filha de Deus na Igreja e no mundo. Assim como a criança se desenvolve no seio de uma família, cercada de cuidados e carinho para o seu pleno desenvolvimento. A comunidade é o seio no qual se desenvolve o cristão. Sem perseverança na vida de comunidade, não atingimos a maturidade da vida cristã. Não desenvolvemos o verdadeiro seguimento a Jesus Cristo.
Faça download no link abaixo
https://www.academia.edu/37106824/Grupo_de_Reflex%C3%A3o_Caminho_de_inicia%C3%A7%C3%A3o_%C3%A0_vida_Crist%C3%A3

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Grupo de Reflexão: Reuniões semanais e Plenário

As reuniões do grupo são todas as semanas, e sempre com as mesmas pessoas. Grupo sério não dispensa nem troca as reuniões semanais por nada. Quando um novato se interessar em entrar para o grupo, passem para ele o que é um grupo de reflexão, e como está o andamento do seu grupo. Não deixem a pessoa meio perdida.  Se procurou, é porque está querendo alguma coisa a mais, não é mesmo? Os assuntos das reuniões dos grupos exigem continuidade.Exigem permanência dos membros e fidelidade às reuniões(Hb 10,25). Não nos esqueçamos de que estamos falando de reuniões de estudo, de reflexão e treinamento para a missão. Por isso o animador e o secretário devem, de vez em quando, pedir a um ou outro membro do grupo para dirigir a reunião.  Assim essa pessoa vai se soltando aos poucos... ØEvitar comes-e-bebes nas reuniões de grupos de reflexão. A preocupação com essas coisas pode prejudicar a evangelização. Local da reunião: por causa da continuidade dos assuntos, as reuniões semanais sejam feitas nas ca…

Dez Mandamentos do Grupo de Reflexão

Grupos de Rua: caminho para a Igreja rede de comunidades

Logo após o Concílio Vaticano II, as formas colegiadas ganharam vigor e muitas experiências bonitas aconteceram. As conferências episcopais ganharam força; os diversos conselhos em âmbito diocesano, paroquial e comunitário também. O povo começou a se sentir verdadeiramente Igreja e a sair da passividade de séculos. Nas primeiras Campanhas da Fraternidade no Brasil, os lemas e os objetivos sempre lembravam a todos o sentido comunitário da Igreja. “Lembre-se: você também é Igreja” (1964); “Faça da sua paróquia uma comunidade de fé, culto e amor”; (1965); Em 1966, o objetivo da campanha assim dizia: “Reavivar nos fiéis a consciência de que são membros do povo de Deus, corresponsáveis por toda a comunidade da Igreja local, diocesana, nacional e universal, e chamados a servir todos os homens, especialmente os pobres”. Com esse espírito, a Igreja no Brasil promoveu, na década de 1970, uma proliferação – sem igual na sua história – de comunidades eclesiais de base. Abandonou a mania de grande…